quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

chega de migalha




É engraçado como nós mulheres temos a facilidade de nos vincularmos a homens e sentimentos errados!!! Puxa vida!!!!

Deixa eu me explicar: nos ultimos meses fiquei rodeada de mulheres maravilhosas, criativas, guerreiras e cheias de qualidades ímpares, mas que sofrem do mesmo perrengue que milhares de mulheres no mundo, são ou estão carentes de atenção, afeto, carinho e sexo porque não (?), mas que escolheram as pessoas erradas para compartilhar isso.
Bem, os homens não são os vilões da história, pelo menos não dessa vez..Eles são potencializadores da crise, mas não os culpados.

Digo isso porque agora a moda é ser sincero, né? O que de fato é uma coisa boa....
Para eles!
O cidadão quer só comer a garota? Ele fala.
Não quer nada com a garota? Ele fala.
Quer dá uma, conversar e só? Ele fala.
Então nasceram das cinzas uma classe de homens que eu chamo de “quase quase”..
Sabe aquela coisa indefinida? Poisé..
Ahh ele quase um amigo, quase um marido, quase um ficante, quase um peguete..
a lista é imensa, e as mulheres tão sedentas por carinho vão cedendo e cedendo, e acreditando nos quase amores que vão surgindo e de repente, ao menor sinal de carne nova no pedaço ou outra atração que valha, os quase quase somem e elas ficam chupando dedo.

Bem, barras de chocolate e muitas lágrimas mais tarde elas resolvem se libertar. Fingem indiferença, apagam o telefone (não sem antes anotá-lo em algum lugar secreto) e tentam tocar a vida, tecendo teses e verdades sobre o caso com pelo menos três amigas e uma familiar.
E então, ela vai vivendo a vida de maneira melancólica e desleal, sofrendo um drama cármico, até o ressurgimento do dito.

Ele aparece, sem o menor sinal de remorso, claro!


Afinal ele não sabe e jamais saberá o que aquela mulher alimentou durante meses a fio sobre os 4 dias de sexo que vocês tiveram no verão passado, ele não imagina os sonhos que ela teve com ele, não imagina todo o sentimento e frustação ali intrínsecos porque afinal ela além de quase quase alguma coisa é também “forte” o bastante para suportar tudo calada e sem reclamar...

Bem, ele vem e daí..
após uma ou duas investidas “marromeno” que podem ser dele ou dela, depende do caso, eles cedem..
curtem o momento, se falam, conversam sobre o assunto..
e pimba, dali a algum tempo o ciclo se repete..
Ela dá um basta, diz pra ela mesma que não merece isso, pede apoio das amigas, até uma nova investida..


O que eu não consigo entender é porque vivemos nos enganando, mesmo tendo consciência da frivolidade dessas coisas. Porque diabos nos levamos tão a sério??
Certa vez, perdi a oportunidade de ter dito tudo que eu sentia para um cara, em troca da certeza de que ele sempre viria..mais cedo ou mais tarde.
Bem ele vinha, e eu ficava com aquela cara de tacho depois que ele ia embora, esperando ele voltar sabe se lá quando, ou em qual circunstância ou horário..

Deveria mesmo ter dito para ele que merda a gente tava fazendo, tentando se “divertir”, enquanto eu me envolvia cada vez mais e mais..
Eu deveria ter gritado tantas vezes pra ele não ir embora, porque aquela realmente seria a última vez..
Eu deveria ter chorado na frente dele, feito meus dramas, minhas cenas, mostrado pra ele que sou humana, que tenho um coração que naquele momento era aquilo que eu queria, era aquilo que sentia..
Eu deveria ter dito, pura e simplesmente que eu gostava dele, mais do que um quase amigo, ou um quase ficante, eu gostava dele quando ele estava do meu lado e quando ele era só um cara normal e comum ao lado de uma garota.

Mas eu escolhi o caminho mais fácil..
mentia pra mim, dizendo na frente do espelho “ isso não é nada demais..”
fingia uma indiferença cretina, paspalha..que nunca existiu..
não ligava, morrendo de medo que ele descubrisse que eu estava apaixonada e fugisse de mim..como se não fosse fácil perceber..
me limitava a e-mails cheios de mensagens subliminares..
gastando o cérebro pra tentar dizer de maneira politicamente correta..
“Ei, estou aqui...”

Às favas com o medinho..
Tive medinho de botar pra quebrar...colocar o cara na parede e perguntar: “Qual é a sua, mermão??” Às favas com escrupulos, com as meias palavras, com as meias verdades..
Nós queremos viver, porra!

Não acho que somos mulheres tolas..
mas acho que temos tolas atitudes, nos escondendo, nos esquivando da verdade estampada na cara do cidadão.
Porque?
Nos falta coragem pra ouvir um não e seguir em frente com as nossas vidas, e por isso vamos catando migalhas, aceitando mais uma vez, só essa noite..pois quem sabe entre uma bitoca e outra ele descubra
o quão fantástica você é..e como ele não tinha reparado nisso antes..
Mas ele não vem, ele não liga porque já percebeu que para ele você é só mais uma. O cruel é que ele nunca irá admitirá isso, nem sob tortura. Talvez ele diga que não é momento, que ele quer mesmo curtir a vida, que você está interpretando tudo errado, que ele não quer destruir os teus castelos cor de rosa.

Pra puta que pariu com quem invetou essa história de só curtir o momento..
Nós queremos viver por inteiro, e não pelas metades de mentiras sem nexo, de bobagens e perca de tempo. Queremos saciar nossa vontade de amor, essa coisa que tanta gente fala mais que poucos vivenciam.

Portanto, você que está aí, saindo mais uma vez da fossa onde se colocou, antes de voltar a sair com aquele motherfucker, pensa bem. Veja se você não está mesmo desperdiçando momentos preciosos da sua vida, por uma quinquilharia barata, a troco de nada. Veja bem se o que você quer é acordar sozinha, de novo..e de novo!
Porque a gente faz tanta coisa que a gente não quer, e justo aquela que você deveria escolher com o coração e com cuidado, deixa passar assim com tão pouco..

Basta de ser quase quase...
basta de sinceridades inescrupulosas..
de amigos coloridos..
de conquistadores chinfrins

Porque minha amiga, talvez esse bagre, seja só o último ótario que você terá que enfrentar, antes de encontrar alguém que queira dormir e acordar contigo.




Ouvindo_ Fuck you_Lily Allen

4 comentários:

Bruno disse...

Simplesmente, do caralho!

Leo disse...

Lu, eu fui assaltado e levaram meu celular, você poderia me passar seu numero por email ou me ligar?

bjão!

Mirella disse...

É, amiga... palavras tão óbvias, mas ao mesmo tempo tão corajosas. Porque tenho certeza de que toda mulher que as ler vai pensar: "poxa, eu conheço esse filme", mas poucas conseguem colocar na prática um "ponto final" nessa situação.

Luize disse...

ahh lu, c sabe q o 'quase quase' nao rola com a gente, tem q ser ou vai ou racha XP
shaiuhuisa
:*